gerofuturo@gmail.com

sábado, 9 de abril de 2011

Violência contra os mais Velhos

Os números de queixas referentes a idosos que sofrem agressões têm vindo a crescer. Mas há métodos de prevenção e formas para os idosos se sentirem protegidos. Os dados recolhidos em Portugal no presente ano mostram que DIAP de Lisboa registou grande aumento das denúncias e processos na APAV subiram 120%.
Segundo o "Jornal de Notícias", a violência contra idosos está a crescer ou, pelo menos, há mais denúncias que são, contudo, a ponta do icebergue, alertam as autoridades. Um estudo europeu revela que os idosos portugueses são os que mais sofrem abusos financeiros.


Quando falamos de maus tratos podemos falar de várias formas de agressão que não são só violência física, nem de violência de carácter sexual, sendo o abuso sexual muito pouco frequente. Na verdade, os abusos psicológicos ou emocionais, dor ou perigo, as ameaças e os insultos, a exploração financeira ou material com apropriação ilegais de bens, fundos e propriedades são outra forma de abuso. Também constitui uma forma de abuso situações de negligência ou de fracasso por parte cuidadores que tem de cumprir com obrigações e deveres para com o idoso. Outra situação é o abandono. No geral, à medida que a idade vai aumentando maior vai sendo a frequência dos abusos, sendo que, os casos relativos ao abandono se verificam em idades mais precoces. As mulheres são as maiores vítimas em quase todos os tipos de abusos nos idosos. Os maus tratos nos idosos podem vir das mais variadas entidades.

Os profissionais de saúde que lidam directamente com a pessoa idosa, deve estar especialmente atentos a algum sinal mesmo que estes não sejam facilmente detectáveis, pois podem estar perante uma situação de abuso.
Quando se suspeita que de facto o idoso sofre de algum tipo de maus tratos, um dos métodos que se devem utilizar é a entrevista pois podemos conseguir informação muito relevante.
A entrevista deve proceder a certas regras para que o idoso não sinta receio ou constrangimento de falar do assunto. Outro factor muito importante é que durante a entrevista o idoso esteja só com o profissional de saúde pois caso ele esteja acompanhado do agressor não vai conseguir expressar a razão do seu sofrimento.
É bastante importante apostar na prevenção, deve existir uma maior informação dos profissionais que estão em contacto com os idosos e da sociedade em geral. É importante que os próprios idosos estejam informados, dos apoios que existentes e quais os passos que deverão dar, caso sejam, vítimas de maus tratos.

A questão dos mitos nas sociedades ocidentais e de consumo é fundamental, que seja, desmistificada para que se comece a reconhecer a importância dos idosos nas sociedades actuais.

Inês Guerra

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Envelhecer em casa ou não

É praticamente geral a vontade de envelhecer em nossa casa, rodeados dos nossos objectos, memórias e conhecidos.
A perda de autonomia devida a doença e outros factores ligados à solidão, ou ausência quase total de rede social e familiar estão na origem da mudança para um lar ou outra estrutura residencial estruturada.
É sempre um momento de grande tensão emocional dentro da família quando têm que decidir a melhor opção para o pai ou a mãe idosos.
As opções terão sempre de ser avaliadas caso em caso. São as famílias as primeiras a perceber depois que realmente a mãe, avó, o pai, está melhor no Lar, rodeado de cuidados profissionais e de pessoas com quem pode conversar e sair, do que sozinho em casa à espera de uma visita esporádica de um familiar sempre ocupado. É a demência e outras doenças igualmente incapacitantes que levam as famílias a colocarem os doentes em Lares.
A sociedade está a envelhecer, alguns de nós ficarão sozinhos em idades avançadas e portanto é bom que calmamente se reflicta sobre como se gostaria de viver nessa época.

Ludmila Carvalho

Roy Lee Walford e a restrição calórica como estratégia para a longevidade

Walford (1924-2004) foi um gerontólogo da Universidade da Califórnia em Los Angeles, que estudou os efeitos da restrição calórica. Segundo o gerontólogo e a associação por ele criada – Calorie Restriction Society (CRS) – é possível chegar aos 120 anos, desde que se reduza em cerca de 30% o numero de calorias considerado adequado numa alimentação correcta (2500 para os homens e 2000 para as mulheres).
Actualmente os defensores da restrição calórica são os membros da associação, estes chegaram a oferecer-se para cobaias e a Escola de Medicina da Universidade de Washington em Saint Louis aceitou o desafio. Os resultados foram os seguintes: “ Além de baixos níveis de colesterol e triglicerídeos, apresentam uma tensão arterial de 10/6, semelhante á de um miúdo. As suas artérias são mais elásticas e o seu coração parece o de um jovem de 17 anos. Outro indicador, o da proteína C reativa, apresentava níveis de 0,2 miligramas por litro, quando costuma rondar os 2,5 num individuo de meia idade. Além disso, manifestavam grande sensibilidade à insulina (o que os afasta do risco de padecer de diabetes de tipo 2) e estariam mais protegidos do cancro” Fonte: Super Interessante nº155 Março 2011 Portugal
Interessa salientar que há décadas que os cientistas observam os efeitos inegáveis da restrição calórica, através de experiências com ratos têm verificado que estes chegam a beneficiar de 30% a 50% de existência suplementar.
Está também a decorrer no mesmo âmbito uma experiência com macacos Rhesus iniciada em 1989, contudo apesar dos resultados satisfatórios até a data, terá que se esperar pela morte dos animais para os resultados finais.

João Gaspar

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Água: Fundamental na Hidratação dos Idosos



A água é um nutriente indispensável ao longo de toda vida. Pasquale Lemmo (1998), considera a água como “ um dos remédios mais importantes e eficazes.”

De acordo com Maurício Ventura (2010), O médico de geriatria, postula que “ a sensação de sede só aparece nos idosos quando estes estão mais desidratados do que uma pessoa jovem.” O médico explica que com menos água no corpo, ocorre a coagulação do sangue, aumenta o risco de problemas circulatórios. E recomenda que os idosos devem “ beber água”, apesar de não sentir sede.

O consumo diário de água a ingerir cada dia depende de várias circunstâncias: idade sexo, ocupação. Entretanto, Rodet (2008), recomenda que “ o consumo um litro de água pouco mineralizada”, mas pesquisas mostram a necessidade de beber de 1,5 a 2 litros de água por dia.

A água sempre contribui e permanece ao lado da Natureza em seus bons intentos. Segue as leis fisiológicas de nutrição e eliminação. E eficaz a proporcionar benefícios a todos os órgãos. Este líquido jamais perturba o organismo, antes auxilia-o para que realize com mais rapidez sua obra.


Luiza Oliveira

terça-feira, 5 de abril de 2011

Velhice Bem Sucedida

“Não basta somar anos à Vida, também é preciso somar Vida a esses Anos”
John F. Kennedy

É nas sociedades desenvolvidas que se constata a vida ser mais longa. Estas têm-se preocupado para que esta seja vivida em boas condições e que o importante não seja ter mais tempo de vida mais sim que esse tempo tenha mais qualidade.
A qualidade de vida na velhice é um processo heterogéneo, que tem sido objecto de estudos por vários especialistas (BALTES e BALTES, GARFEIN e HERZOG; HAZARD; FONTAINE; FONSECA;OLIVEIRA).
No entanto, segundo (FONTAINE, 2000) existem três factores principais transversais que condicionam a velhice bem sucedida, caso não sejam devidamente respeitados:
• “Evitamento das Doenças” – Estar conscientes de que uma alimentação equilibrada e o consumo regrado de todos os alimentos é essencial para a manutenção da saúde pois assim reduziremos a probabilidade de doenças, em especial aquelas que causam perdas de autonomia;
• “Alto nível cognitivo e físico” – Manter um elevado nível funcional nos planos cognitivo e físico, é fundamental. Apesar de todos utilizarem as suas capacidades intelectuais e físicas, estas estão sempre relacionadas ás motivações de cada um nas quais é necessário investir;
• “Empenhamento Social” – A conservação de empenhamento Social está aliado a dois componentes – a manutenção das relações sociais e a prática de actividades produtivas. Destes dois aspectos depende também a qualidade de vida e a satisfação de viver.


E termino com uma citação de Roger Fontaine
“Convém de agora em diante, não só continuar a dar tempo ao tempo, mas também dar qualidade ao tempo”


Maria Antónia Calvo

segunda-feira, 4 de abril de 2011

" Medidas especiais para evitar quedas e fracturas em IDOSOS"

   Segundo dados da sociedade brasileira de Gerontologia, as quedas entre IDOSOS é de 28% a 35%.
   Os IDOSOS estão mais propensos a quedas, culminando muitas vezes com fracturas e consequentemente internamento hospitalar e longos periodos de imobilização.
   Há cuidados diários que podem evitar as quedas:
   - Alimentação (A vitamina D evita a Osteoporose)
   - Exercício físico (Melhora o equilíbrio)
   - Aconselhamento médico (controla as doenças e as deficiências, de audição por exemplo)
   - Prevenção no uso de medicamentos, que podem muitas vezes resultar em tonturas ou perda de sentido
   - Organização de ambientes que o IDOSO frequenta (a casa é um exemplo).




                  Natália Fonseca