gerofuturo@gmail.com

sábado, 2 de abril de 2011

Fonte da juventude está dentro de nós


A equipa liderada pelo cientista luso-americano Ronald dePinho conseguiu pela primeira vez inverter o processo de envelhecimento

Lusa
13:36 Quinta feira, 3 de fevereiro de 2011
















Cientista luso-americano Ronald dePinho
Cientista luso-americano Ronald dePinho
Uma equipa de cientistas liderada pelo luso-americano Ronald dePinho conseguiu pela primeira vez inverter o processo de envelhecimento através da manipulação genética, abrindo o caminho para uma espécie de "fonte da juventude" nas células humanas.
Em entrevista à Lusa, o luso-americano, professor na escola de medicina de Harvard e no Dana Farber Cancer Institute , explicou que a sua equipa de investigadores conseguiu artificialmente "ligar e desligar" o gene responsável pela reparação do ADN de ratos de laboratório.
As cobaias foram primeiro sujeitas a envelhecimento prematuro, que causou a perda de capacidades cognitivas e sinais exteriores, e quando o gene "voltasse a ser ligado" esperava-se um "abrandamento do processo de envelhecimento ou estabilização".
"Em vez disso, vimos uma inversão dramática dos sinais e sintomas do envelhecimento: o cérebro aumentou de dimensão, a memória melhorou, deixou da haver pelos grisalhos e regressou a fertilidade", disse à Lusa.
"Isto ensina-nos que há uma tremenda capacidade de os nossos tecidos se rejuvenescerem por si próprios", adianta dePinho.

Muito trabalho pela frente


Publicado na revista Nature no final de 2010, o estudo tem vindo a receber grande atenção mediática.
Mostra como a manipulação, através de enzimas , das extremidades dos cromossomas responsáveis pela regeneração das células, os telómeros , pode inverter o envelhecimento e doenças relacionadas com a idade, como cancro, diabetes ou Alzheimer.
Apesar da importância da descoberta, o trabalho a fazer é ainda "tremendo", afirma, e será precisa "uma década ou mais" até que se chegue a "uma estratégia segura e eficaz" para reparar o ADN.
"Se conseguíssemos descobrir uma droga que pudesse especificamente reativar este gene e reparar os telómeros, as pessoas teriam menos problemas relacionados com a idade, diabetes ou doenças de coração", afirma.

Ligar o gene


Entre as dificuldades que os investigadores enfrentam está perceber em que momento ligar este gene e por quanto tempo, porque também células cancerosas podem ser estimuladas, se em presença no organismo.
"Para se poder começar a multiplicar e nunca envelhecer, uma das coisas que a célula cancerosa faz é ligar este gene. Se temos um cancro que já começou e ligarmos o gene, podemos torná-lo mais agressivo", afirma dePinho.
Além de procurar entender o "calendário próprio" para reativar o gene, a sua equipa vai agora debruçar-se em como é que os tecidos retêm a capacidade de rejuvenescimento, ou seja "os processos biológicos e moleculares que permitem criar esta resposta tremenda".
"Há uma tremenda quantidade de trabalho para tirarmos partido disto e em última análise melhorar a saúde humana", afirma.
Co-fundador de empresas de investigação médica - uma delas (Aveo Pharmaceuticals ) cotada no Nasdaq - dePinho defende que o conhecimento "ainda é muito básico para poder ser conduzido esforço comercial".
Mas, afirma dePinho, o que esta e outras investigações já deixaram claro é que as pessoas podem começar a "atrasar o relógio já hoje".
"É essencialmente fazer exercício, comer devidamente e não fumar. Um estilo de vida saudável tem impacto imediato na longevidade", disse à Lusa.

Paula Arsénio

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Solidão & Idoso


Os médicos da faculdade de Medicina de Coimbra juntamente com a Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa da Universidade Nova de Lisboa lançaram um estudo nacional:
Objectivo: Definir o perfil do Envelhecimento da população portuguesa;
Amostra: 2672 indivíduos com mais de 55 ainda autónomos e a viver em suas casas;
Resultados:
- 25% dos inquiridos com mais de 65 anos vivem sozinhos;

- 36.5% dos inquiridos passam mais de oito horas sós por dia;

- 20% afirmam que se sentem deprimidos;

- 80% dos inquiridos não precisa de ajuda nas suas tarefas diárias;

- 5,8% dos inquiridos tiveram uma avaliação cognitiva desfavorável;

- 40,5% dos inquiridos do sexo feminino passam grande parte do seu tempo sem companhia;

- 26,2% dos inquiridos do sexo masculino passam grande parte do seu tempo sem companhia.



"Sozinho mas não solitário, quem tem fé nunca está sozinho." Thomas Carlyle


Rafael dos Santos

quinta-feira, 31 de março de 2011

Titulo: ” Festejou 105 anos mas ainda gosta de fazer a barba sozinho”

Artigo sobre Manuel dosSantos que tem 105 anos e reside no concelho de Tomar.
Centenário faz por manter uma vida autónoma, continuando a viver sozinho na sua casa. Tem dois filhos, seis netos e oito bisnetos.
Acorda todos os dias as 7 da manha, o seu pequeno-almoço e uma chávena de café com leite e uma torrada,
entretém-se a tirar as ervas do jardim, gosta de ver tv e estar sentado a
lareira. 
A filha Maria da Conceição de 62 anos, a quem lhe leva o comer diariamente, trata-lhe da roupa e ajuda-o a tomar banho.
O filho Rafael dos Santos de 76 anos diz que queria fazer lhe a barba mas ele não deixou, porque enquanto puder quer ser ele a fazer.
Manuel dos Santos nasceu a 23 de Dezembro de 1905, era carpinteiro de profissão e trabalhava na agricultura.
Não toma medicamentos, e quando esta doente e obrigado a ir ao médico, gozando a boa saúde e perfeitamente lúcido, os únicos senãos é a falta de vista e a lucidez.
Comemorou o seu aniversário no dia de natal com a sua família e desejou só mais um ano.
Quando o seu filho perguntou se queria uma bengala para andar mais depressa respondeu que as bengalas eram para os velhos.
Quando O Mirante quis lhe tirar uma foto fez questão de colocar um chapéu e um casaco para ficar “como deve ser”.

Fonte: Resumo do artigo publicado no jornal O Mirante de 6 de Janeiro de 20
A minha Opinião:
Eu escolhi este artigo sobre Manuel dos Santos, de 105 anos porque é um exemplo de autonomia.
Manuel dos Santos é um exemplo porque faz par ser activo, não fuma e não bebe pois estes factores de risco prejudica a saúde das pessoas.
Existem hoje em dia muitas pessoas dependentes, que dependem da sua família para tudo, algumas por já
não terem capacidades físicas e mentais outras porque se acomodam, Manuel dos Santos prefere ser uma independente da família, por isso insiste em viver sozinho.
A autonomia é importante nos idosos, porque assim não perdem as suas capacidades  mentais e motoras e sentem-se úteis.





Rita Fernandes

Saúde e Qualidade de Vida

 Diversos inquéritos colocam a saúde no topo das prioridades pessoais. Num estudo realizado em Espanha, Castellón, por Fonseca (2005) verificou-se que dois terços dos entrevistados valorizavam sobretudo a saúde como indicador da qualidade de vida.

Apesar de muitas pessoas idosas não serem doentes nem apresentarem diminuição de funcionalidades, com o aumento progressivo da esperança de vida, a Organização Mundial de Saúde estima que, nos próximos anos, aumentem substancialmente as necessidades em cuidados de saúde da população mais idosa, paralelamente a um aumento acentuado da prevalência de doenças não transmissíveis e de evolução prolongada.

Da notícia no jornal Destak, “Acordo proporciona mais de 15 mil cirurgias e 100 mil consultas” destacam-se vários aspectos:
“Com um custo de 22 milhões de euros, pago pelo Ministério da Saúde, 12 hospitais começam, já a partir de sexta-feira, segundo a Lusa, a prestar cuidados de saúde em áreas como oftalmologia, dermatologia, otorrino e cirurgia vascular onde, segundo a ministra da Saúde, existem de facto algumas carências reais. Quanto aos utentes, passam a pagar as taxas moderadoras, tal como acontece actualmente nos hospitais da mesma rede.”
Deste protocolo assinado ontem entre Governo e as Misericórdias, esperamos encontrar respostas em termos de intervenção de qualidade, se queremos honrar a sociedade onde vivemos, que se pretende equitativa, justa e humanista.







Teresa Castanheira