gerofuturo@gmail.com

sábado, 21 de maio de 2011

A Importância da Vacinação na Terceira Idade

Nos Estados Unidos, morrem anualmente entre 50.000 e 70.000 pessoas por doenças que poderiam ser evitadas se fossem vacinadas.
95% destes individuos morrem de pneumonia e gripe.
Assim, todos os indivuos com mais de 65 anos deveriam ser vacinados, pois esta vacinação tem enormes benefícios nesta facha etária, podem reduzir 60% dos internamentos e 80% dos óbitos por doenças do foro respiratório.
Mesmo os  idosos portadores de doenças crónicas,  também deverão ser vacinados com conselho médico.

NÃO SE ESQUEÇA, CONSULTE O SEU MÉDICO DE FAMÍLIA ANTES DE SER VACINADO!
A VACINAÇÃO PODE SALVAR VIDAS!

Cristina Braz

sexta-feira, 20 de maio de 2011

A letra que retrata um lado da velhice...

Parado e atento à raiva do silêncio
de um relógio partido e gasto pelo tempo
estava um velho sentado no banco de um jardim
a recordar fragmentos do passado

Na telefonia tocava uma velha canção
e um jovem cantor falava da solidão
que sabes tu do canto de estar só assim
só e abandonado como o velho do jardim?

O olhar triste e cansado procurando alguém
e a gente passa ao seu lado a olhá-lo com desdém
sabes eu acho que todos fogem de ti pra não ver
a imagem da solidão que irão viver
quando forem como tu
um velho sentado num jardim

Passam os dias e sentes que és um perdedor
já não consegues saber o que tem ou não valor
o teu caminho parece estar mesmo a chegar ao fim
pra dares lugar a outro no teu banco do jardim

O olhar triste e cansado procurando alguém
e a gente passa ao seu lado a olhá-lo com desdém
sabes eu acho que todos fogem de ti pra não ver
a imagem da solidão que irão viver
quando forem como tu
um resto de tudo o que existiu
quando forem como tu
um velho sentado num jardim

Música "Velho", Mafalda Veiga

Deolinda

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Abra a sua Mente

Assim como a actividade física mantém o corpo saudável, os trabalhos intelectuais mantém a mente ágil e rápida. Por isso, é importante continuar aprendendo e enfrentando desafios – seja estudando uma língua estrangeira, crescendo profissionalmente ou fazendo palavras cruzadas. Como diz um provérbio japonês, “Nós começamos a envelhecer quando paramos de aprender.”
A mente desempenha um papel fundamental na saúde do organismo. É importante acordar todas as manhãs e olhar o dia que começa – e uma parte fundamental disso exige aprender e manter uma mente activa.
Quando você oferece os elementos necessários para uma planta – um pouco de água e sol –, ela geralmente cresce. Com o cérebro, é mais ou menos a mesma coisa. Independente da faixa etária, pessoas activas desenvolvem novas sinapses, que são as conexões que permitem a comunicação entre os neurónios, permitindo armazenar e resgatar informações mais facilmente, mesmo quando a substância cinzenta está coberta por cabelos brancos.
Para continuar desenvolvendo sua capacidade intelectual, experimente essas dicas:
•Assista a aulas — sobre qualquer assunto, desde uma palestra comunitária a aulas universitárias.
•Leia regularmente.
•Mantenha-se actualizado com as novas tecnologias. Aprenda sobre computadores e "internet." Procure usar o "e-mail" para manter contacto com a família e amigos.
•Entre em um clube de leitura ou outro grupo de discussões.
•Explore a vida cultural da sua comunidade. Procure assistir peças, concertos e palestras.
•Dê continuidade as suas habilidades artísticas ou procure desenvolve-las.
•Ensine o que sabe aos outros.

Publicado Outubro 6, 2010
Revista Viva Melhor



Linda Brito

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Trabalho de Avós

São eles que levam e trazem os nossos
filhos das escolas, que nos ensinam a
 dar o primeiro banho, que dividem os mimos
que damos às nossas crianças e que nos 
 educam para podermos educar.

Os avós são hoje os segundos pais de 
 muitas crianças.
"A importância dos avós na vida dos netos e dos pais é um tema precioso quando se fala de educação,de crianças  ou de famílias. Além dos pais, da escola, dos amigos, dos brinquedos e de todos os hábitos ou fases de desenvolvimento de uma criança, existe uma entidade que permanece presente e com intimidade em todo estes campos: os avós. (...)

A figura dos avós é hoje em dia realçada pelos psicólogos como essencial para o"retrato" de família que as crianças têm necessidades de desenhar nas suas mentes. Isto é, a necessidade de se identificarem com o passado e de inserirem num grupo. Também os avós fazem  parte do seu "núcleo duro" e também eles contribuem grandemente para a sua educação, em todos os seus planos.
Só aos avós é que o que os pais reconhecem autoridade, e é com esse"atestado" que eles entram na vida dos seus netos e, claro, dos seus filhos. (...) 
Se é verdade que a sociedade se tem vindo a alterar, também os avós são hoje "novos avós". Além  de terem maior presença e interacção na vida dos mais novos, os avós são, maioritariamente pessoas que estão numa fase de vida profissionalmente activa. Não são só pessoas de muita idade, frágeis e longe das realidades dos seus neto. Pelo contrário:ainda trabalham, alguns também  já  se separaram e são homens e mulheres cada vez mais solicitados para os seus filhos na tarefa de educar  os seus netos. E a sua presença efectiva é um pilar para muitas famílias, independentemente do seu meio sócio-cultural. (...)"

Texto retirado da revista XIS (Publico - 2006)
autora : Inês Teotónio Pereira

Gracinda Silva
        

Envelhecimento favorece a inteligência emocional

A inteligência emocional e cognitiva pode melhorar depois dos 60 anos, proporcionando às pessoas vantagens na capacidade de relacionamento pessoal e profissional.
À medida que envelhecem, as pessoas tornam-se mais sábias. Este é um dos aspectos positivos do envelhecimento, de acordo com um estudo publicado no jornal Psychology and Aging, que mostra que os idosos lidam melhor com situações stressantes, valorizando mais os aspectos positivos. Por outro lado, sentem mais empatia pelas pessoas menos afortunadas.
 À medida que envelhecem, as pessoas tornam-se mais sábias. Este é um dos aspectos positivos do envelhecimento, de acordo com um estudo publicado no jornal Psychology and Aging, que mostra que os idosos lidam melhor com situações stressantes, valorizando mais os aspectos positivos. Por outro lado, sentem mais empatia pelas pessoas menos afortunadas.
Os resultados da investigação, da Universidade da Califórnia, sustentam a teoria de que a inteligência emocional e cognitiva pode melhorar depois dos 60 anos, proporcionando às pessoas vantagens na capacidade de relacionamento pessoal e profissional. “A evolução parece ter levado o nosso sistema nervoso a optimizar as capacidades interpessoais à medida que envelhecemos”, afirma o psicólogo e líder da investigação, Robert Levenson, defendendo que “os idosos devem, por isso, manter-se socialmente activos”.

                                                                   Fonte: tribunamedicapress

João Gaspar

segunda-feira, 16 de maio de 2011

A qualidade de vida

A qualidade de vida é uma dimensão muito difícil de  avaliar, sobretudo quando se trata de idosos dependentes e/ ou vivendo em instituições.São suportes importantes da qualidade de vida de um idoso:
  • Apoio familiar 
  • Apoio dos serviços de saúde
  • Apoio sócio-culturais
  •  Recurso económico
Este aspecto condicionarão um bem -estar psico-espirutual, atitude de independência/ autonomia,auto-estima.São barreiras a promoção da qualidade de vida do idoso:

  • A falta de resposta de serviço de saúde face à degradação do estado de saúde
  • A presença de sentimentos de perda pelo afastamento social e da família
  • A aviuvez
  • A morte de membros da família e amigos
  • O viver só e o internamento em asilo
  • As atitudes inadequadas da sociedade face ao idoso
O envelhecimento do país é um processo que implica reorganização familiar, com níveis de organização mais complexa que passarão por uma aceitação táctica de uma certa plasticidade, para não dizer desorganização.
Esta posição de vulnerabilidade adaptativa deve acompanhar-se de novos níveis de organização funcional por parte dos intervenientes.
A prevenção e o   tratamento da perda da autonomia são vectores essenciais para a realização de uma velhice conseguida. A idade diminui as capacidades de decidir e de agir, reduzindo a autonomia.Cerca de 12% de idosos com mais de 75 anos perdem anualmente, a autonomia.
Neste contexto, a avaliação gerontológica deve ser feita por equipa multi-disciplinares e de forma standarizada de forma a propor uma estratégia de manutenção e tratamento:
  • Funções cognitivas
  • Perturbações do humor
  • Autonomia
  • Estado dentário
  • Funções esfincterianas
  • Visão
  • Audição
  • Marcha e equilíbrio
Ludmila de Carvalho