gerofuturo@gmail.com

quinta-feira, 30 de junho de 2011

"Os Idosos Em Portugal" - Estudo realizado pela marktest

Os idosos em Portugal

No dia 26 de Julho vai comemorar-se o Dia Mundial dos Avós, o que motivou a realização de um sondagem exclusiva no Fonebus sobre a situação dos idosos em Portugal. Confira os resultados.
Estudos de Opinião , Grupo Marktest, 24 Julho 2007
Em 2005, as estimativas do INE apontam para a existência de 1,8 milhões de idosos (65 e mais anos) a residir em Portugal, um valor que representa 17.1% da população total.
A representação geográfica desta variável mostra um país divido entre litoral e interior, sendo aqui que o peso dos idosos é maior. As áreas metropolitanas da Grande Lisboa e do Grande Porto (especialmente esta) mostram uma estrutura mais rejuvenescida.

Idanha-a-Nova, apesar do nome, é o concelho mais envelhecido do país, aquele onde os mais idosos têm maior peso (42.0% da população residente neste concelho tem mais de 64 anos). Penamacor e Alcoutim são os outros concelhos mais envelhecidos, onde estes indivíduos representam cerca de 40% dos seus residentes.

Clique na imagem para aumentar

Estes são os números de partida. Mas, o que pensam os portugueses da situação em que vivem os mais idosos no nosso país? Foi isso que quisemos saber através da sondagem exclusiva realizada no Fonebus da Marktest.

A primeira questão dizia respeito à avaliação geral que é feita da situação dos idosos no nosso país. A maioria dos inquiridos, 43.4% entende que ela é hoje pior do que há cinco anos atrás. Para 25.7%, a situação melhorou, enquanto 24.6% entende que se manteve e 6.3% não expressa opinião.

Os mais optimistas estão no Interior Norte (30.6% entende que a situação melhorou) e têm entre 55 e 64 anos (31.5% acha que a situação é agora melhor). Pelo contrário, os mais pessimistas são os residentes no Litoral Centro e os indivíduos da classe alta/média alta (52.6% e 52.5%, respectivamente, entendem que a situação piorou).


Os problemas económicos e a solidão são identificados como os principais problemas que atingem actualmente os idosos portugueses. Para 35.8% dos inquiridos as questões económicas são as mais relevantes, enquanto 26.4% refere a solidão. A falta de equipamentos de apoio (como apoio domiciliário, lares, etc...) é indicada por 12.7% dos inquiridos, enquanto 14.4% identifica os aspectos relacionados com a saúde como os mais preocupantes.


Na sugestão de medidas a implementar para resolver os problemas dos idosos em Portugal, o aumento das reformas foi o mais referido, por 39.6% dos entrevistados. Um quarto dos indivíduos (25.3%) indicou a necessidade de haver mais apoios às famílias para manterem idosos em suas casas e 24.4% referiu a criação de mais lares de 3ª idade. A criação de serviços de apoio domiciliário e a criação de centros de dia foram referidas por 19.4% e 17.4% dos inquiridos, respectivamente, havendo ainda 11.1% que indicou que os medicamentos deveriam ser grátis para os idosos.


Este estudo tem uma amostra de 814 entrevistas e foi realizado no Fonebus da Marktest, tendo a recolha decorrido entre os dias 17 e 20 de Julho de 2007, de acordo com a seguinte a Ficha Técnica. Contacte-nos se pretende mais informações sobre este assunto.


Publicado por Marktest


Catarina Patrocinio

terça-feira, 28 de junho de 2011

Animação sociocultural com Idosos

Definimos a animação de idosos como uma maneira de actuar em todos os campos do desenvolvimento da qualidade de vida dos mais velhos, sendo um estímulo da vida mental, física e afectiva da pessoa idosa.

A animação de idosos pode ser dividida em sete partes:

 Animação física ou motora- aquela onde se pretende que o idoso faça algum tipo de movimento. Ex: mexer com os braços e depois os dedos, etc...

 A animação cognitiva - facilita a melhoria das relações de comunicação com os outros, incentivando o desenvolvimento da personalidade e da sua autonomia. Ex: jogo da memória, jogo da garrafa, etc...

 Animação através da expressão plástica – pretende-se que o idoso trabalhe o seu lado artístico, através da modelagem, pintura, desenho, etc...

 Animação de comunicação – pretende-se que o idoso transmita os seus sentimentos e emoções através da música, teatro, dança, poesia, etc...

 Animação de desenvolvimento pessoal – tem como objectivo desenvolver as competências pessoais e sociais da pessoa . Estimula o auto-conhecimento e a dinâmica de grupo, inclui religião, espiritualidade e meditação.

 Animação lúdica – tem como objectivo divertir as pessoas e o grupo, promover o convívio e divulgar os saberes. Inclui o turismo sénior, os jogos, idas a museus, teatros, cinemas, gastronomia, televisão, etc...

 Animação comunitária – tem como objectivo a participação activa do idoso no seio da comunidade. Este tipo de animação destina-se a idosos autónomos e que ainda querem assumir um papel activo na comunidade onde vivem. O voluntariado pode ser um dos vários exemplos.

Luiza Oliveira

Risco de problemas cardíacos em 900 mil doentes do sono

A apneia do sono provoca problemas cardiovasculares em 50% a 60% dos doentes. Mas os problemas cardíacos também se ligam aos respiratórios


A apneia do sono afecta cerca de um milhão de portugueses. Este problema, associado a interrupções da respiração e aos roncos típicos de quem ressona, só é tratado em 10% dos casos, o que coloca perto de 900 mil portugueses em risco de desenvolver problemas cardiovasculares ou, em última instância, em risco de morte. Este é o melhor exemplo de que o coração e o pulmão estão longe de ser órgãos desconhecidos, mas sim amigos. O tema será hoje debatido durante o Congresso Português de Cardiologia.

De acordo com Cristina Bárbara, pneumologista do Hospital Pulido Valente, é recente a certeza de que os dois órgãos não são meros estranhos: "Tratando um problema cardíaco conseguimos controlar o respiratório, como a apneia. O mesmo acontece quando um doente é apneico. Se for controlado, consegue evitar-se problemas cardiovasculares", avança.

A apneia do sono (ver caixa) afecta 10% da população, mas pode "atingir os 25% nas faixas etárias mais avançadas. É mesmo muito frequente". Este problema respiratório é uma grande causa de outras disfunções como a hipertensão arterial, quando não é tratado de forma atempada. "As paragens respiratórias episódicas levam à estimulação do sistema nervoso simpático", que reage às paragens aumentando a tensão arterial e que leva à constrição de vasos, bem como ao aumento dos batimentos cardíacos.

As causas ainda estão por explicar, "mas pensa-se que a obesidade seja uma delas, o que explica que este problema tenha tendência para aumentar", acrescenta a médica.

As consequências da perturbação podem ser dramáticas. "Sabemos que 50% a 60% das pessoas com apneia acabam por ter uma complicação cardiovascular, como angina, arritmia ou enfarte, que podem originar morte súbita. Estes doentes também têm frequentemente acidentes de viação." Os números verificam-se no serviço de Cristina Bárbara, no Pulido Valente. "Temos cerca de 2000 doentes por ano e, destes, 1200 acabam por ter complicações cardiovasculares", conta.

Artido do Diário de Notícias escrito por DIANA MENDES em 10 de Abril 2010
Catarina Patrocínio.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

“Recriar o Envelhecimento”,

Na conferência “recriar o envelhecimento”, Jardim ramos refere que «os idosos merecem o melhor do mundo»
«Envelhecer sem deixar de viver»
A coordenadora do mestrado em Gerontologia, Helena Jardim, disse ao reitor da Universidade da Madeira, presente na conferência, que o Centro de Tecnologias da Saúde «deveria constar nas prioridades da UMa».
O secretário regional dos Assuntos Sociais diz que «é urgente promover o princípio do envelhecimento activo», porque os idosos «merecem o melhor do mundo, na medida em que trabalharam bastante durante a vida, fizeram percursos fabulosos e nós temos de ajudá-los a viver com dignidade até ao fim da vida».
Francisco Jardim Ramos falava, em representação do presidente do Governo, na sessão de abertura da conferência “Recriar o envelhecimento: Uma oportunidade para o desenvolvimento”, que se realizou ontem no Teatro Municipal, no âmbito do Mestrado em Gerontologia. De acordo com o governante, na Madeira, o índice de envelhecimento é de 72.9 pessoas idosas por cada 100 jovens, com tendência a aumentar. É por isso que, defendeu, «o idoso tem de saber envelhecer sem deixar de viver»
Na Região, «temo-nos preocupado com o impacto do envelhecimento e a promoção do envelhecimento activo faz parte das linhas estratégicas da política social do Governo Regional», referiu.
O Autarca do Funchal, Miguel Albuquerque, anfitrião desta conferência, disse que «no âmbito do envelhecimento activo há um trabalho a realizar ainda pelos especialistas e instituições que pode ser feito com muito pouco dinheiro».
O cérebro humano «melhora» com a idade, afirmou o professor Daniel Serrão, da Faculdade de Medicina do Porto, que explicou que «o nosso cérebro é que nos governa e faz tomar as decisões e, durante a evolução de cada ser humano, quando criança decide pelos afectos e emoções, depois passa a decidir pela valorização racional, chamada inteligência crítica, e quando começa a chegar a sénior, acima dos 65 anos, regressa progressivamente à capacidade de fazer com que as emoções se sobreponham aos raciocínios e convicções intelectuais». Em conclusão, salientou que no idoso, a decisão é mais rápida, emocional e mais efectiva.
Yola Leite